18.12.14

João Pedro Fagerlande: "a pálpebra desce e observa"




a pálpebra desce e observa
é sempre noite num dos hemisférios
o sol não esclarece tudo

olhos não abrem para dentro
se abrissem
ai se abrissem

não tenha medo
não há sombras no escuro



FAGERLANDE, João Pedro. Peludo.Rio de Janeiro: Baluarte, 2013.

17.12.14

José Paulo Paes: "Tempo-eternidade"



Tempo-eternidade

O instante é tudo para mim que ausente
do segredo que os dias encadeia
me abismo na canção que pastoreia
as infinitas nuvens do presente.

Pobre de tempo fico transparente
à luz desta canção que me rodeia
como se a carne se fizesse alheia
à nossa opacidade descontente.

Nos meus olhos o tempo é uma cegueira
e a minha eternidade uma bandeira
aberta em céu azul de solidões.

Sem margens sem destino sem história
o tempo que se esvai é minha glória
e o susto de minh´alma sem razões.



PAES, José Paulo. Poesia completa. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

15.12.14

Carlos Drummond de Andrade: de carta a José Guilherme Merquior




Do interessantíssimo depoimento de José Mário Pereira sobre seu amigo José Guilherme Merquior, publico abaixo um belo trecho da carta que Carlos Drummond de Andrade enviou a Merquior. 

José Mário Pereira explica que Merquior “doutorou-se em letras pela Sorbonne, orientando de Raymond Cantel, com tese sobre Carlos Drummond de Andrade aprovada com louvor em junho de 1972. Depois de levar meses para acusar a remessa dos capítulos que Merquior lhe enviava, Drummond respondeu:

'Eu poderia  tentar justificar-me alegando que esperava o recebimento do texto completo para lhe escrever. Mas a verdade verdadeira é que, desde a leitura das primeiras páginas, me bateu  uma espécie de inibição que conheço bem, por ser velha companheira de minhas emoções mais puras. Se você estivesse ao meu lado nos momentos de leitura, decerto acharia graça na dificuldade e confusão das palavras que eu lhe dissesse. Talvez até  nem dissesse nenhuma. E na minha cara a encabulação visível diria tudo… ou antes, não diria nada, pois o melhor da sensação escapa a esse código fisionômico. Senti-me confortado, vitalizado, vivo. Meus versos saem sempre de mim como enormes pontos de interrogação, e constituem mais uma procura do que um resultado. Sei muito pouco de mim e duvido muito — você vai achar graça outra vez — de minha existência. Uma palavra que venha de fora pode trazer-me uma certeza positiva ou negativa. A sua veio com uma afirmação, uma força de convicção que me iluminou por dentro. E também com uma sutileza de percepção  e valorização crítica diante da qual  me vejo orgulhoso de nobre orgulho e… esmagado. Eis aí, meu caro Merquior. Estou feliz, por obra e graça de você, e ao mesmo tempo estou bloqueado na expressão dessa felicidade.'"



PEREIRA, José Mário. "O fenômeno Merquior". In: COSTA E SILVA, Alberto da. O Itamaraty na cultura brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2002.

13.12.14

Walt Whitman: "Full of life now" / "Pleno de vida agora": trad. Ferreira Gullar




Pleno de vida agora

Pleno de vida agora, consistente, visível,
Eu, quarenta anos vividos, no ano oitenta e três anos dos Estados,
Ao homem que viva daqui a um século, ou dentro de quantos séculos for,
A ti, que ainda não nasceste, dirijo este canto.
Quando leias isto, eu, que agora sou visível, terei me tornado invisível,
Enquanto tu serás consistente e visível, e darás realidade a meus poemas, voltando-te para mim,
Imaginando como seria bom se eu pudesse estar contigo e ser teu camarada:
Faz de conta que eu estou contigo. (E não o duvides muito, porque eu estou aí nesse momento.)



WHITMAN, Walt. "Pleno de vida agora". In: GULLAR, Ferreira (trad. e org.). O prazer do poema. Uma antologia pessoal. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, 2014.



Full of life now

Full of life now, compact, visible,
I, forty years old the eighty-third year of the States,
To one a century hence or any number of centuries hence,
To you yet unborn these, seeking you.
When you read these I that was visible am become invisible,
Now it is you, compact, visible, realizing my poems, seeking me,
Fancying how happy you were if I could be with you and become your comrade;
Be it as if I were with you. (Be not too certain but I am now with you.)



WHITMAN, Walt. "Leaves of grass". In:_____. The complete poems. Org. por Francis Murphy. Hamondsworth: Penguin, 1977. 

11.12.14

Eugénio de Andrade: "Até amanhã"




Até amanhã

Respira. Um corpo horizontal,
tangível, respira.
Um corpo nu, divino,
respira, ondula, infatigável.

Amorosamente toco o que resta dos deuses.
As mãos seguem a inclinação
do peito e tremem,
pesadas de desejo.

Um rio interior aguarda.
Aguarda um relâmpago,
um raio de sol,
outro corpo.

Se encosto o ouvido à sua nudez,
uma música sobe,
ergue-se do sangue,
prolonga outra música.

Um novo corpo nasce,
nasce dessa música que não cessa,
desse bosque rumoroso de luz,
debaixo do meu corpo desvelado.



ANDRADE, Eugénio de. "Até amanhã". In:_____. Poesia. Porto: Modo de Ler, 2011.

9.12.14

Gilbert Murray: sobre os deuses e a criação do mundo




Meu amigo Adriano Nunes me disse que, tendo lido o fragmento 30 de Heráclito (que se encontra aqui), lembrou-se da seguinte afirmação de Gilbert Murray:


Os deuses da maioria dos países pretendem haver criado o mundo. Os deuses olímpicos não têm tal pretensão. O máximo que chegaram a fazer foi conquistá-lo.


MURRAY, Gilbert. Apud ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. Trad. de Mauro W. Barbosa. São Paulo: Perspectiva, 2013.

8.12.14

Jorge Luis Borges: de "O credo de um poeta"





Tenho para mim que sou essencialmente um leitor. Como sabem, eu me aventurei na escrita, mas acho que o que li é muito mais importante que o que escrevi. Pois a pessoa lê o que gosta -- porém não escreve o que gostaria de escrever, e sim o que é capaz de escrever.



BORGES, Jorge Luis. "O credo de um poeta". In:_____. Esse ofício do verso. Organização de Calin-Andrei Mihailescu; tradução de José Marcos Macedo. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.